Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Prato do Dia

O Prato do Dia

Maio 25, 2017

Fernando Zocca

 

 

Ibirapuera 08 02 2016 033.JPG

 

O frio que imperava naqueles dias em Tupinambicas das Linhas não predispunha muitos a fazerem qualquer coisa.

Mas Van de Oliveira Grogue, tentando ser gentil com aquela sua musa inspiradora, a desejadíssima vovó Bin Latem, pensou em criar uma espécie dum bom drinque com o qual, se a sorte o ajudasse, degustaria ao lado dela.

Com uma garrafa de vinho tinto e outra de aguardente, misturaria, numa terceira vazia, o produto de ambas, obtendo algo mais novo e significativo.

A vovó Bin Latem mantinha-se distante; evitava trocar palavras com aquele seu fã por ter a noção falsa, criada por pessoas ciumentas, de que aquele sujeito, agora mau caráter, não pagava suas dívidas.

Diziam também, as más línguas, que o tal cidadão instigava inclusive, entre os habitantes da cidade, o hábito de solicitar empréstimos sem que houvesse a possibilidade posterior do cumprimento das obrigações assumidas.  

Ora, Van buscava a obtenção do suprimento das suas carências financeiras ao mesmo tempo em que evitava os trocistas de se interporem entre as suas ações e a conquista dos seus objetivos.

Desta forma quando o motorista do ônibus que o levava ao local distante, onde ele Van, adquiriria fiado, os fluídos componentes básicos do seu preparado mágico, não se indispôs com o tal chofer quando este, por má-fé, ou sabe-se lá o quê, deixou-o num ponto 20 quilômetros longe donde deveria descer.

E da mesma forma buscou entender as atitudes de quem soltava cães pretos, assustadíssimos, pelas veredas por onde ele supostamente passaria.

Ora, se conseguisse o intento de satisfazer sua deusa, com o que considerava ser um bom tônico revigorante, poderia quem sabe, perceber que ela talvez interferisse na conclusão dos trabalhos asseguradores da vertente fonte da seiva salvadora.

Tendo adquirido os ingredientes da receita do seu benquisto líquido, Van não estranhou, quando preparando a volta pra casa, já no ponto de ônibus, a jovem parada ao seu lado sob o acesso da rinite perturbadora, e tossindo muito, disse olhando um cachorro ofegante, vagante pela rua, que o bichinho estava doente.

Ele nem se abalou quando aquela mesma pessoa, com dores no joanete afirmasse, aos cochichos, que o sapato do motorista carequíssimo, estava muito apertado.

No ônibus Van percebeu que os exageros na interpretação das percepções empáticas muitas vezes produzem projeções não muito reais.      

 

Maio 17, 2017

Fernando Zocca



Santa Cecília 032.JPG

 

Em Tupinambicas das Linhas, existia um médico que confundia rinite com inflamação nos rins. Ele viera da periferia da cidade, e por causa da idéia de que era um coitado, facilitaram-lhe, por meio de fraudes no vestibular, seu ingresso na faculdade de medicina. 
Quando seus pais se estabeleceram no coração da urbe, envolveram-se com o jogo do bicho. Assim, toda malignidade inerente à contravenção apossou-se da família. O adultério, as mentiras, homicídio, loucura e corrupção entranharam-se de forma tão arraigada no grupamento familiar que se tornou impossível ao doutor, desempenhar sua profissão, sem que lhe evocassem aquela faceta suja do seu passado. 
Quando Jarbas candidatou-se a prefeito, Genésio - considerado na época um vagabundo pela família, - mostrou ao pretendente que se combatesse o estelionato nas leituras de consumo, dos medidores de água do município, atrairia uma multidão de vítimas sedentas de justiça. 
Genésio informava, ao caquético-testudo, sobre a existência de um grupo de funcionários, do serviço municipal de águas, para o qual os critérios de apuração do consumo d água, não eram os numerais dos medidores, mas sim o comportamento dos consumidores. Se suas opiniões políticas divergissem da dos governantes, pagavam mais, devido às anotações superestimadas, aplicadas como retaliação. 
Esse projeto de sangria era estendido, aos departamentos de energia elétrica e aos de serviços telefônicos. 
Ora, a população espoliada, em não sabendo como se livrar de tanta sanha criminosa, criou logo uma simpatia consistente em colocar garrafas pet cheias d água acima dos relógios medidores do gasto de energia elétrica. 
Assim, quem visitasse os bairros pobres da cidade, e observando aquele tipo de conduta, em não sabendo das roubalheiras existentes, e tentativas de defesa, por certo atribuiriam tais esquisitices, à má fama do lugar. 
Com essas e outras bandeiras, o meu nobre leitor já sabe, foi o Jarbas eleito prefeito dos Tupinambiquences. 
Genésio até que ia bem no seu consultório. Ocorre que numa ocasião, ao atender um rapaz de 17 anos, notou estar ele queixando-se em demasia, das dores sentidas no braço fraturado. Por ser do tipo machão, Genésio achou estar o paciente fazendo fita. E qual não foi a surpresa da mãe do enfermo, ao ver o doutor aplicar tapas no rosto do seu filho? 
Longe de considerar o espancamento uma nova forma de anestesia, a mulher indignada, saiu imediatamente do local, indo queixar-se ao delegado de polícia. 
Formou-se um comitê de ética médica. Esse, porém não impediu a população de estabelecer seu juízo a respeito do Genésio, tornado médico por força da corrupção, patrocinada pelos contraventores do jogo do bicho.

 

22/12/2004

Usinadeletras.com.br 

Maio 10, 2017

Fernando Zocca

 

 

Santa Cecília 006.JPG

 

Quando alguém é aprovado em concurso público e não é chamado, observando depois que o pessoal do partido, ou da mesmice administrativa, que ocupa o poder, há décadas e décadas seguidas, conseguiu sinecuras sem esforço nenhum, na base da falcatrua, por meio das fraudes, deixamos de acreditar na classe dos políticos.

Não tem como confiar nessa gente.  

Pra quem diz que é assim mesmo, a resposta é que isso não está certo. Essa situação gera tanta injustiça notória propiciando novas e novas atitudes do mesmo gênero que o resultado não pode ser outro do que a atual situação em que se encontra o Brasil.

Conheço um cidadão que, tendo oito ou nove filhos, com mulheres diferentes, conseguiu “encaixá-los” todos numa autarquia municipal. Quando questionado sobre o fato o preclaro e solícito servidor respondeu que todos tinham sido “aprovados” em concurso de provas e títulos.

Deus está vendo.

Com essa situação, calamitosa e bagunçada que se encontra o país, tem gente perguntando se precisará furtar ou roubar para comer.

O descalabro é tanto, a desordem é tamanha, que não se sabe se os ladrões de banco, estelionatários ou furtadores comuns, se inspiram no pessoal de Brasília ou se é o pessoal do congresso que se inspira nesses tipos de obtenção de riqueza, demonstrados pelos criminosos.

De qualquer forma é bom que o poder judiciário comece a demonstrar razões positivas da sua existência, da sua utilidade.

Ninguém gostaria de ver o MST armado, fazendo ordem unida, buscando formas sensatas para sobreviver e manter os seus em situações dignas.

Mudando um pouquinho o assunto: quem pratica caminhada, corrida, ou simplesmente leva seu cãozinho a passeio reiteradamente no parque do bairro Santa Cecília percebe que o local não dispõe de sanitário.

Ante as dificuldades encontradas pelo poder público em construir o aposento adequado ao ambiente sugere-se a instalação de banheiros químicos, ou móveis.

Tendo a manutenção constante eles se prestarão com mais facilidades, e conforto, aos usuários do parque, do que as moitas aspérrimas do local.     

Maio 04, 2017

Fernando Zocca

Mãe amamentando.jpg

 

Afirma certa corrente psicológica, que quando a mamãe não amamenta o neném, tem este, depois de adulto, diante de alguém em suposta dificuldade, maior possibilidade de manter-se omisso.

Essa situação diverge muito daquela que, em retaliação, o político não reeleito, ao ser procurado por eleitor em busca de favorecimento, responde não ser a solução da sua alçada, em decorrência de não ter recebido o voto de quem agora lhe pede o favor.

Mas, por exemplo, diante de uma pessoa completamente dopada, caminhando por um corredor de hospital, rente à parede, praticamente com os olhos fechados, dormindo, em direção a uma escadaria descendente, rumo à queda, a omissão do observador, não poderia ser explicada de outro jeito que não fosse a tal carência afetiva/alimentar.

É da mesma forma a situação em que alguém, com certa deficiência física/genética, em companhia do pai, se vê em apuros, no raso duma piscina, e não recebe daquele que observa, mais do que a aproximação causadora de alguma segurança, propiciadora das atitudes que a façam se livrar, ela mesma, das dificuldades.

E que comportamento da testemunha seria melhor, para a pessoa que esqueceu onde guardou certos documentos importantes, do que o de manter-se à distância deixando que a própria esquecidinha os encontre?

As intervenções intempestivas poderiam causar mais danos aos desatenciosos do que os possíveis males supostamente sofridos por eles.

Desta forma o observador poderia cair junto com aquele que, caminhando sem atenção, foi ao fundo do fosso. O pretenso salva-vidas, na piscina, poderia afogar-se, junto com a agitada/inquieta pessoa, e a buscadora dos papéis desaparecidos, poderia irar-se diante das tentativas de auxílio do espectador, gerando a situação em que tudo se complicaria ainda mais, como por exemplo, na perda do ônibus que a levaria ao seu destino.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub