Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Prato do Dia

O Prato do Dia

Janeiro 30, 2018

Fernando Zocca

 

 

 

Diz o governo federal que sua contabilidade está há muito tempo no vermelho e que, em tese, não haveria outra forma de equilibrar as contas se não for com o aumento das arrecadações e cortes nas despesas.

Alega também que sua autarquia INSS é um dos setores a apresentar maior assimetria entre o que recebe e paga.

Desta forma deseja, desde há muito tempo, promover reformas importantes na instituição, objetivando, pelo menos, “empatar”, isto é, igualar os números representativos da receita e despesa.

Dentre as causas, consideradas pelo governo, como responsáveis pelas diferenças gritantes, entre o que recebe e paga o instituto, está a inexistência de descontos mensais nos salários dos seus funcionários, como os que ocorrem com os dos trabalhadores comuns.

Outra questão mal resolvida e, certamente, geradora de injustiças terríveis, é a facultação de ganhos às filhas solteiras dos funcionários falecidos, até o momento em que provem o casamento, ou a formação em curso superior.

Seria desnecessário dizer da existência de centenas, se não milhares delas que, apesar de já terem seus filhos, frutos das uniões não oficializadas, e a formatura em curso superior, continuarem a receber os benéficos incabíveis.

Estes são dois dos exemplos, de um conjunto de numerosos outros motivos, para que defenda o governo a reforma no INSS.

Entretanto para conseguir seus objetivos o executivo precisa do apoio do legislativo. Deputados precisam aprovar as tais propostas governamentais.

Para isso o apoio dos senhores deputados é fundamental. É nesse momento que o deputado Roberto Jefferson, do PTB, de certa forma, garantindo uma aprovação maciça, dos seus correligionários, ao projeto do governo, solicita ao mandatário do executivo, a nomeação da sua filha Cristiane Brasil para o cargo de ministra do trabalho.

Atendido no seu pleito, Roberto Jefferson, no entanto, vê-se frustrado ante a suspensão da nomeação, oposta pela ministra Carmem Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, quando esta analisava as alegações feitas por advogados trabalhistas que mostravam uma suposta ausência de probidade administrativa, por condenação da candidata, em dois processos trabalhistas, movidos por ex-funcionários.

Nem sempre acontece a condenação do culpado e a absolvição do inocente.

Muita vez ocorre a absolvição do culpado e a condenação do inocente.

Cristiane Brasil, quando assumir o cargo, terá oportunidade para provar seu valimento, do mesmo modo que o governo e a oposição – nos debates do plenário – justificarem as suas causas de pedir.     

     

Janeiro 12, 2018

Fernando Zocca

 

oscarito.jpg

 

Eu tinha um amigo que sempre me dizia: “a biografia está para a alma da mesma forma que a morfologia para o corpo”.

Ou seja, o caminho entre dois pontos – por exemplo, entre o berço e o túmulo - contém milhares de alternativas, milhões de rotas já transitadas.

Quando a gente pode escolher o rumo, é tudo de bom; o problema geralmente acontece quando, ainda criança, alguém impõe o estandarte que lhe parece melhor, o mais conveniente.

Esse esquema não seria nocivo, desconfortável ou danoso, se não fossem as incompreensões, a impaciência e a violência, muita vez, provocadas por uma, ou suposta, injustiça contra os responsáveis pelo direcionamento.

Percebe-se que alguém tomado por sentimentos fortes de vingança procura, digamos, devolver aos pretensos causadores dos seus males, os dissabores sofridos.

Em outras palavras, da mesma forma que uma pessoa, estando, por exemplo, numa praia, desejando deslocar-se de um ponto a outro, e não sabendo em que direção seguir, ao perguntar sobre qual o melhor caminho, recebe a orientação não condizente com a realidade, a criança pode obter um direcionamento equivocado, cujos resultados inapropriados serenariam o ódio do vingador.

O conhecimento dos elementos culturais formadores, ou influenciadores, do comportamento daquelas personalidades capazes de decidir, por aqueles ainda em desenvolvimento, é de muita importância.

Então como explicar os pensamentos e os sentimentos fortes de um menino com relação aos foguetes, se não houvesse antes a existência do filme O Homem do Sputinik (1959), estrelado por Oscarito?

Na mesma linha de raciocínio: como distencionar a não ser agindo contra um bode expiatório, principalmente se for ainda criança, no tempo do Falta Alguém no Manicômio (1948), dirigido por José Carlos Burle, estrelado por Oscarito (foto), Vera Nunes, Modesto de Paula, Yara Isabel, João Giuseppe, Tereza A. Mora, Simi Soares e Edgar Brasil?

Violência e malvadezas têm limites. Principalmente se forem praticadas contra os indefesos.

Janeiro 07, 2018

Fernando Zocca

 

 

Motocicleta divulgação Internet.jpg

 

A vida na sociedade tem muito de competição. Esta acontece entre irmãos, quando ainda crianças, e pode prosseguir na idade adulta, principalmente quando as bases da personalidade não estão bem desenvolvidas.

Essa tal de competição serve para – os que a vencem - reforçar a autoestima, melhorar o amor próprio e manter a dignidade dos que orientam, tendo como base, a confiança dos orientados.

Os jogos têm muito, aliás, tudo, de competição. E quando alguém vence sempre, não é incomum dizerem, como Donizete Pimenta Aarder disse, numa ocasião, quando jogavam truco no boteco do Maçarico:

- Ah, tá roubando!

A desqualificação dos que se mostram, e se saem sempre melhor, do que os outros, é um modelo muitíssimo usado por quem não acredita em si.

Para os que não gostam de si mesmos, nem creem nas suas potencialidades, não é anormal escarnecer até dos que conquistam os louros da vitória, as taças de campeão.

- O sujeito é muito burro – disse Célio Justinho – quando lhe disseram, na mesa do bar, que Van de Oliveira havia comprado uma motocicleta.

- Como assim? – quis saber o Zé Cílio Demorais no exato momento em que tirava um coringa do maço.

- Imagine se tem cabimento acelerar, pra sair, dando início a uma ida, pisando firme no freio? Pode isso?

Ante o gargalhar da moçada Célio Justinho, soltando um berro escandaloso e socando a mesa exclamou:

-Truco!

- Seis... Ladrão invejoso do meio do inferno – esgoelou Donizete Aarder.

O desenvolvimento das capacidades das pessoas depende muito dos pais, dos professores, da religião. Age de forma equivocada o pai, ou o orientador, que, para justificar suas fragilidades, desprestigia os paradigmas positivos dos seus orientados.

É sabidíssimo que alguém, para se destacar e servir melhor sua comunidade, não precisa desqualificar e nem desmerecer quem quer que seja.  Seu foco principal é desenvolver suas melhores tendências que serão úteis para si e aos outros.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub