Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Prato do Dia

O Prato do Dia

Junho 24, 2021

Fernando Zocca

 

Eu sou chique, bem! – exclamou Marina Baldwin ao pegar a cópia dos estatutos da sua recém-criada A. A. M. T. (Associação das Atropeladoras de Motociclistas de Tupinambicas das Linhas).

- Sim, mas vai devagar preclara pessoa. Eu falei que a senhora precisava ter mais paciência. Não adianta se irritar com a demora decorrente da burocracia – respondeu John Charles Carcanhádigrilis o advogadão que acompanhara os trâmites da papelada no cartório de registro.

- Ai que chique. Agora vou reunir todas as mocréias embarangadas ou não, responsáveis pelo atropelamento dos motociclistas nesta cidade – exultou Marina.

- Antes que a senhora instale uma sede própria, contrate funcionárias e anuncie ao povo a constituição desta nova entidade pública de direito privado, cuja finalidade é proporcionar apoio mútuo entre as desmioladas, insanas e demenciadas motoristas lesadoras das pessoas condutoras de motocicletas, passe-me para cá os honorários combinados antes do início dos trabalhos, minha querida senhora.

- Vou pagar com cartão. O senhor tem a maquininha?

- É débito ou crédito, ilustre cliente desde os tempos em que os famosos Roberto e Erasmo Carlos eram meninotes a correr pelas ruas de Cachoeiro de Itapemirim?

- É crédito seu doutor advogado, faz o favor – Marina estava feliz, alegre ante a perspectiva de poder papear com as meliantes praticantes dos mesmos crimes, até dar câimbras na língua, sobre as lesões e consequências, médicas, civis e criminais dos deslizes praticados no trânsito louco da cidade.

Carcanhádigrilis sacou do bolso do paletó uma “minizinha” oferecendo a fenda para que Marina introduzisse o seu cartão.

- Vai devagar com esse trem aí dona. Não vá me arrombar o instrumento.

- Ai, seu doutor, eu sou delicadíssima. Veja como eu ponho, enfio, coloco... E então quebrou alguma coisa?

- Sem mais teretete ou tititi minha senhora; faça o favor de digitar a senha.

- Mas é isso mesmo, senhor doutor? Cinco salários mínimos pra esse servicinho que até um guardinha-mirim pode fazer? – perguntou Marina com o rosto vermelho feito um rubi.

- O que é combinado não é caro, minha senhora – defendeu o seu “cascalho” o advogadão mais barrigudo que sapo atormentado pela giardíase.

Efetuada a transação, Marina depois de chamar um motoboy pelo celular, engarupar no veículo e ordenar ao pobre trabalhador que fosse ao destino indicado, acenou tchauzinhos e assoprando beijinhos ao profissional aplicador do direito gritou para todos da rua ouvissem:

- Eu sou rica! Sou presidente da Associação das Atropeladoras de Motociclistas de Tupinambicas das Linhas.

Defronte ao cartório, uma aglomeração de pessoas, contrariando as orientações de combate ao Corona Vírus, assistia a comédia.

- É seu Zé Laburka, dona Dani Arruela, Luísa Fernanda, seu Célio Justinho e Donizete Pimenta: a situação é essa mesma. Manda quem pode, obedece quem tem juízo. Se não tiver sensatez esses doidos “tratoram” os ingênuos sem dó nem piedade – falou o vereador Laércio Bivisan quando passava ao lado da aglomeração com um Poodle debaixo do sovaco esquerdo.

 

Colabore com a manutenção do Blog fazendo a sua oferta.

PIX – A chave do meu PIX é o meu celular:

55 19 994701551

 

Junho 10, 2021

Fernando Zocca

 

 

cifrão - Cópia.png

 

Então né? mancando feito um cavalo velho, lesado pela imperícia e negligência de uma cidadã irresponsável, lá fui eu novamente ao parque do bairro Santa Cecília, naquele nove de junho, para, percorrendo os 640 metros da estrutura, buscar modificações metabólicas no meu corpo, sedentário há muito tempo, por várias razões.

Com a soma dos múltiplos fatores contrários tais como o principiar da terceira idade, o sobrepeso, e a fratura na tíbia esquerda eu não poderia me queixar, não poderia mesmo, de percorrer em 30 minutos, a distância que percorreria duas vezes mais numa situação favorável.

Nesse corre-corre a gente vai pensando várias coisas, sobre vários assuntos, como por exemplo, nos créditos que temos a receber.

Se a cobrança de 5 ou 6 mil reais por uma ou duas aulas de filosofia pode causar assombro na pessoa de senso comum, imagine o desgosto do cidadão credor dos precatórios devidos, há muitas e muitas décadas, pelo governo federal.

Não seria exagero dizer que diante de tanta chicana, o credor do governo da república federativa do Brasil, perderia a esperança de, até mesmo, satisfazer os créditos daquele cursozinho furreca, extraordinariamente caro e descabido.

Se o governo federal não cumpre suas obrigações com os cidadãos credores, como pode querer que estes cumpram com as suas, pagando o que devem?

Diríamos ter sido assim que um jovem atleta, naquele mesmo dia, na pista do parque, resumiria a resenha do assunto “débitos a pagar e créditos a receber”.

Quem, vendo-se processar, a fim de pagar alguma dívida, não chamaria ao processo, ou denunciaria à lide, seu próprio e contumaz devedor?

Se não for assim, meu querido amigo leitor, que Deus perdoe as minhas dívidas da mesma forma que eu perdoo o meu devedor.

 

Gostando do nosso trabalho e querendo nos apoiar

 Agradecemos-lhe.

PIX – A chave do meu PIX é o meu celular:

55 19 994701551

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub